Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre ser e estar

Entre ser e estar

A rapariga que cheirava a praia

SDC13296 (2).JPG

Era uma vez uma rapariga que cheirava a praia.

Não a praia dos óleos bronzeadores,

da música em exagerados decibéis e qualidade duvidosa.

A praia de sol, de mar e areia; de calor e de brisa; de riso e sossego.

Na sua mente as ideias e os sonhos iam e vinham, como as ondas do mar.

Tranquilos, mas enérgicos.

Plenos de esperanças e promessas.

Mesmo no inverno, ela trazia o cheiro e o encanto da praia consigo.

Uma espécie de primavera e verão permanentes.

Quem a conhecia acreditava que seria sempre assim.

Desejava que fosse sempre assim.

Uma rapariga a cheirar a praia.

Mas um dia, a rapariga passou a mulher

e, embora continuasse a trazer a praia consigo,

os outros deixaram de sentir o seu aroma,

pois o cheiro a praia esbateu-se nos afazeres do dia-a-dia.

Até que um dia, eventualmente, a rapariga que cheirava a mar

dissolveu-se numa onda mais forte.

E nunca mais ninguém a viu.

Gradualmente, deixaram de pensar na rapariga que cheirava a praia.

Pelo menos até cada verão chegar.

 

 

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D