Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Entre ser e estar

Medos, sonhos, sentimentos e sentidos alerta. Aqui ficam as doçuras, no outro as travessuras.

Entre ser e estar

Medos, sonhos, sentimentos e sentidos alerta. Aqui ficam as doçuras, no outro as travessuras.

Cortinado azul

IMG_20200428_101027.jpg

Esta manhã, quando acordei, olhei pela janela e, através dos cortinados azuis, percebi a luz brilhante que me chamava lá fora.

Uma manhã de bela luminosidade! 

Curiosamente, não sei se induzida pelos sonhos da noite, se pelo efeito da luz velada, veio-me à memória uma história de uma autor que aprecio - Somerset Maugham, sendo a história pouco relacionada com a leveza da manhã. 

Ao longo do dia, por várias vezes, voltou à mente a história triste de dois seres que só se encontram verdadeiramente quando já é tarde.

Mas, muito mais do que o abismo de uma trágica história de amor, agrada-me nas histórias de Maugham a dignidade com que tanto gostava de presentear muitas das suas personagens. Nem que fosse por um breve instante. 

Esta história não é excepção. Há algo no final que me faz pensar, que para ela, possivelmente o encontro com ele não tenha vindo, afinal, tarde. 

Talvez seja isso que o cortinado azul me devolveu: talvez não exista demasiado tarde, quando afastamos os cortinados e nos reencontramos com a luz. 

Talvez o momento em que olhamos sem véus, seja o momento preciso para o fazermos. 

Esperemos. 

 

Liberdade(s)

Ontem, Abril não saiu à rua.

Depois de anos e anos de festejo, 2020 não nos deixou celebrar tomando os espaços para nós.

Foi tempo, é tempo, de olhar para dentro. E foi com algum prazer que descobri cantos de liberdade pessoal inexplorada.

Descobri que existem locais de mim que precisam libertar-se, que me permitam recuperar-me antes que seja tarde.

E foi isso que Abril me trouxe também.

Com algumas gotas cor de cravo carmim, a sair de dentro, nessa necessidade de cortar algumas amarras.

É esse o prazer de Abril. É essa a intenção que traz.

Terei a força para fazer a revolução?

Noites

Fecho os olhos e pouco descanso.

Não é a quarentena, não é falta de cansaço, é algo já habitual em mim.

O trabalho tem sido vasto, a actividade física também.

Mas as noites...

as noites trazem-me sonhos e devaneios, que não me deixam descansar.

Lembram-me momentos inacontecidos, cheiros perdidos, emoções destemidas, de eventos que nem memórias chegaram a ser.

Acordo exausta, garganta seca, músculos cansados, corpo suado, a procurar entender o que não tem entendimento claro.

Volto a dormir, e regresso a esse mundo que me toma, de que nem chego a não gostar.

Todo um mundo sem leis de física, nem de atracção. Em que tudo surge, tudo acontece, tudo me emudece.

Mundo que se apaga quando o dia amanhece.

 

Retiro

Dizem que este é o tempo para aproveitar. Para ser produtivo. Aprender algo novo ou desenvolver um talento. 

Não para mim. 

O tempo é de olhar para dentro e enfrentá-los - os nossos demónios negros. E Deus sabe como os meus estão acordados. 

Oho-os nos olhos, frente ao espelho. Julgava-os domados, mas eis que surgem, plenos de força acumulada pelo retiro que lhes impus. Até que o retiro passou a ser meu. 

Ouço os meus velhos pecados, a chamar por mim, enquanto puxo de um cigarro. Por enquanto não vou. 

Os silêncios externos mataram os internos e os demónios voltaram. 

Riem-se de mim, troçam do meu erro maior: ter-me perdido de mim, no esforço de os domar.

Chamam-me: Vem, ainda vens a tempo. Acolhe-nos e segue o verdadeiro caminho. Riem-se, com risos claros, fortes. Sussurram com vozes doces, há muito perdidas. 

Mas do outro lado os meus anjos seguram-me, convidando-me a resistir, a perseverar na minha luta. A permanecer. Sádicos.

No fim disto tudo, quando o tempo voltar, quem sabe, retiro os anjos do caminho e enegreço-me de vez, mergulhando no abismo de onde nunca cheguei a sair.

Pode ser que aí, verdadeiramente, encontre.

Ou me retire de mim. 

 

Quarententas

IMG_20200408_011204.jpg

Hoje, ao fim de mais umas horas de teletrabalho, enquanto fechava o "escritório", dei comigo a pensar que era capaz de me habituar a isto, de não sair para trabalhar.

Cerrar-me em casa, sair uma ou duas vezes por mês, para socializar e não me tornar (mais) bicho. 

Chamei-lhe o "efeito quarententa". Um surto combinado de 24 dias em casa e 'entas anos de vida.

Perante esta ideia tirei um vestido do armário, para o dia de amanhã, e um verniz da caixa, para colorir os dias. 

Sentei-me no meio da cama e, calma e concentradamente, pintei cada uma das unhas da primeira mão.

Por cada unha uma despedida de pensamento, de sonho, de ilusão. Por cada pincelada rosa, uma descoberta do que já não sou, uma despedida de onde já não fui. 

Ao final da segunda mão fiquei frente a frente com o meu eu despido, despedido de mim mesma. 

Uma espécie de versão em bruto. O perceber do que já e o que ainda não foi.

Deitei-me comigo mesma, ausente de sonhos ou planos. 

Antes de dormir, uma última olhadela ao vestido, que quase certamente, amanhã voltará ao seu lugar no armário.

A aguardar-me no futuro, apenas, para já, uma noite de sono. 

Amanhã logo se vê. 

Espectros

DSC_0438.JPG

A noite está longa, longa como o arrastar dos dias presentes.

Lá fora o cheiro desagradável de queimado, aumenta o drama que nos assola por dentro.

O silêncio... O silêncio...

Para onde foram todos os sons do mundo?

De vivo apenas o rugir do mar, ao longe. Ao perto as gotas de humidade que caem sobre o chão. Cadência ritmada de pingos sobre o que ainda ficou.

As janelas fechadas. A ausência de luzes. A humidade que entranha mais na solidão.

De repente, do fundo da rua, uma sombra.

Um vulto que desce o caminho. A passada lenta, larga, pesada, de quem mede o passo e a distância cautelosamente. 

A seu lado, um cão, também ele quieto, ao lado do seu dono. Silenciosos.

Seguem caminho, espectros de quem foram uma vez. Voltam a sumir-se na humidade do ar e logo na noite.

Será que sou espectro eu também?

Sim, fantasma sumido do que fui, agora que já não me movo.

Voltaremos ao antes? Seremos de novo?

A humidade, continua a cair. E ao longe o mar a rugir.

Tenho saudades. Talvez seja apenas isso. Saudades.

Do que tive. De quem nunca tive. Do que não cheguei a ser.

Do fim do espectro que sobre nós paira, roubando-nos o passo, o caminho, a luz.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D