Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Entre ser e estar

Medos, sonhos, sentimentos e sentidos alerta. Aqui ficam as doçuras, no outro as travessuras.

Entre ser e estar

Medos, sonhos, sentimentos e sentidos alerta. Aqui ficam as doçuras, no outro as travessuras.

Artes

IMG_20200722_112827.jpg

Esta semana, passei pela exposição dedicada a Van Gogh.

É um dos meus pintores preferidos, não pela sua história trágica, mas pela beleza das suas telas, pela forma única como via e retratava o mundo. Uma arte que me toca. Profundamente.
Acompanhar a exposição, é acompanhar Van Gogh pela vida. As suas dores, as suas dúvidas, as suas lutas internas. O carinho e apoio do irmão.

Ao longo da história que nos contam, surgiram as inseguranças do pintor. Lembrar que foi por incentivo do irmão que se dedicou à pintura, pois achava que o seu caminho era a igreja, que, se Theo não o convence a tentar a pintura, não teríamos as noites estreladas que ele nos deu. Ou os girassóis.

E é aí que paro.

Sempre admirei, e de certa forma invejei, aqueles que conseguem, através da arte, transmitir o que sentem do mundo – seja a música, a pintura, a escrita, …

Não tenho talentos, nem consigo, frequentemente, dizer de forma clara o que sinto. Daí não poder deixar de admirar quem detém a arte nas suas mãos.

Pensar que a alguém com um talento daqueles, não lhe passa sequer pela cabeça que é por ali o seu caminho, faz-me pensar. Quantas pessoas deixarão cair os seus talentos, os seus amores, a sua felicidade, por acharem que não é ali que devem estar?

Quantas vezes teremos tido a oportunidade de um caminho mais pleno, quantas vezes estivemos já no sítio certo, no momento certo, e não percebemos que era ali? Ninguém nos disse, ou não acreditámos.

E, por vezes, ficamos na vida, à espera da tal circunstância, do talento adequado, do amor verdadeiro. A vida segue, sem percebermos que a nossa arte pessoal está ali, em nós mesmos, com medos, mas sem desalento. Em acreditarmos e arriscarmos.

Em pintar o nosso quadro, em cantar a nossa música, em sermos nós.

Perceber que não é preciso ser um grande artista, para descrever algo tão simples como o amor que despertaste em mim, ou que continuo à tua espera, numa mesa de café, como a de Van Gogh.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D