Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entre ser e estar

Entre ser e estar

quando eu era nova

cravo.jpg

Quando eu era miúda, o mundo era cheio de promessas.

A revolução quase tão jovem quanto eu carregava sobre os seus ombros o peso da esperança.

Quando eu era miúda, um homem de costas marcadas disse-me que não tivesse medo, pois os homens que o marcaram não marcariam mais ninguém.

Quando eu era miúda, a primavera cheirava a flores e o verão a calor.

Os meus sonhos eram do tamanho do mundo e o futuro, que demorava a chegar, não metia medo a ninguém.

Hoje a revolução, de tão adulta, é considerada ultrapassada. Desvalorizada. Como se, na verdade, não saboreássemos os seus frutos em cada dia que passa.

O futuro não nos assusta, porque gastamos o nosso medo com o presente.

Os homens que marcam o corpo de outros homens assumem novos papéis que desvalorizamos. Pelo menos enquanto o nosso corpo estiver intacto.

O cheiro da primavera confunde-se com o cheiro a medo e as flores vão sendo aos poucos arrancadas por homens insanos que nos apertam o coração. E, dentro de nós, vamos cedendo os espaços internos a cravos virtuais e de plástico que, supostamente, simbolizam a revolução.

Quando voltar a ser nova, a primavera voltará a cheirar a cravos, e o verão a sal e sol.

Basta que eu nunca deixe de acreditar.

 

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D